O novo sistema de Innovation Scoring® é constituído por:

  • 5 dimensões de análise
    • 14 subdimensões
      • 30 questões principais
      • 16 questões complementares
      • 24 indicadores contabilísticos
      • 56 indicadores quantitativos

A. Estratégia
Considera a forma como a organização desenvolve a sua estratégia de inovação, bem como detalha a mesma em objetivos e planos de ação concretos. Considera ainda a atuação da empresa no quadro da monitorização da sua envolvente externa e na integração dos resultados dessa monitorização na definição da sua estratégia. Considera ainda a forma como a liderança e a cultura da organização contribuem para a existência de um ambiente propício à inovação.
A1. Análise da envolvente
Analisa em que medida a organização monitoriza de forma sistemática a sua envolvente externa incluindo um conjunto de atividades que consagram a prospetiva, a vigilância tecnológica, a análise de novas tendências sociais, tecnológicas, económicas, ambientais e políticas, a inteligência empresarial e o benchmarking, com o objetivo de integrar os resultados destas atividades no planeamento das suas atividades de inovação, bem como na identificação de novas oportunidades.
A2. Planeamento estratégico
Avalia em que medida a organização define uma estratégia para a inovação, valorizando o seu alinhamento com a estratégia corporativa, bem como a sua capacidade de a implementar através da definição de um plano com objetivos concretos e mensuráveis que permitam o seu acompanhamento e subsequente avaliação.
A3. Cultura e liderança
Procura refletir a adequação entre a cultura da empresa e a dinâmica de mudança inerente à inovação, bem como avaliar se as características e estilo de liderança estimulam a inovação.

B. Organização
Considera a contribuição dos diversos tipos de recursos da organização no sentido de assegurar uma maior dinâmica e um melhor desempenho no quadro da inovação, ou seja, determina se a configuração da organização permite desenvolver projetos de inovação com estruturas adequadas e pessoas com as competências necessárias para esse efeito, bem como captar, desenvolver e reter talento de forma coerente e alinhada com os objetivos propostos na sua estratégia de inovação.
B1. Estrutura e governance
Procura avaliar se a organização tem um modelo de governo que defina de forma clara as responsabilidades de inovação, bem como a existência e adequação das estruturas organizacionais e físicas dedicadas, total ou parcialmente, a atividades de IDI.
B2. Capital humano
Pretende avaliar em que medida as políticas e práticas de gestão de recursos humanos da organização contribuem para o cumprimento dos seus objetivos de inovação, designadamente privilegiando a especialização, a diversidade e a multidisciplinaridade das competências individuais.
B3. Competências organizacionais
Corresponde à avaliação da adequabilidade das competências organizacionais face aos objetivos de inovação definidos, valorizando, nomeadamente, a existência de competências necessárias para o desenvolvimento de atividades de I&D, bem como a sua operacionalização (go live).

C. Processos de IDI
Considera os aspetos relevantes para a definição e operacionalização dos processos de IDI de uma organização, que permitam a identificação de oportunidades, ideias e a sua conversão em resultados de inovação (por exemplo, produto, marketing, processo ou organizacional), protegendo e valorizando de forma sistemática os mesmos resultados.
C1. Geração e avaliação de ideias
Avalia em que medida a organização tem mecanismos e ferramentas que promovem a geração e partilha de ideias, bem como o processo definido para a sua avaliação e seleção, para subsequente desenvolvimento.
C2. Gestão de projetos
Avalia se a organização tem processos formalmente instituídos para o planeamento, organização, acompanhamento e controlo de projetos de IDI de forma individualizada, bem como para a coordenação entre projetos de forma holística.
C3. Proteção e valorização da propriedade intelectual
Mede se a organização tem processos definidos para a valorização e proteção dos resultados decorrentes das suas atividades de IDI, nomeadamente no quadro da proteção da propriedade intelectual.

D. Potenciadores
Considera as atividades transversais ao sistema de inovação que garantem os meios necessários ao desenvolvimento de processos de IDI, funcionando como suporte aos mesmos. Destacam-se as capacidades de gerir e valorizar a cooperação com entidades externas, de planear e identificar fontes de financiamento adequadas aos objetivos e projetos de IDI, bem como, a capacidade de recolher, documentar, codificar e difundir internamente informação e conhecimento.
D1. Relacionamentos externos
Analisa a forma como a empresa se articula e desenvolve o seu relacionamento com empresas e entidades do Sistema Científico e Tecnológico, mais especificamente a cooperação com estas entidades no sentido de dinamizar a inovação.
D2. Financiamento
Identifica em que medida a organização planeia antecipadamente as suas necessidades de financiamento no quadro das suas atividades de IDI, bem como a forma como define, capta e diversifica as fontes de financiamento utilizadas para o desenvolvimento destes projetos.
D3. Gestão do conhecimento
Avalia em que medida a organização capta e extrai valor da informação e conhecimento disponíveis, valorizando as suas capacidades de acompanhar as temáticas fundamentais para a realidade do seu negócio, bem como a capacidade de combinar saberes tácitos e explícitos para aprender e melhorar continuadamente.

E. Impacto
Analisa em que medida as atividades de IDI da organização têm impacto no seu desempenho, não apenas a nível operacional e financeiro, mas também na sua relação com o mercado, ambiente e sociedade.
E1. Mercado
Procura avaliar de que forma a inovação contribui para o aumento da competitividade empresarial da organização, considerando para esse efeito os ganhos de quota de mercado e de novos clientes potenciado pela inovação, o seu impacto na internacionalização e entrada em novos mercados, bem como o reconhecimento e prestígio junto de concorrentes e consumidores daí decorrentes.
E2. Sustentabilidade
Avalia em que medida as práticas de inovação contribuem para a sustentabilidade económica, social e ambiental da empresa, valorizando os impactos da inovação no crescimento do negócio e na melhoria das suas margens, bem como na envolvente social e ambiental da organização.